COMO CRIAR UM BOM CONCEITO?

Como chegar naquela ideia bacana em que as pessoas enxerguem valor e torne seu produto um sucesso? Como faz para chegar nesse conceito e torná-lo memorável.


Primeiro temos que entender afinal o que é conceito. 
O conceito  nada mais é que a fundamentação de uma viabilidade de mercado de um produto. Assim que de definimos a viabilidade de um produto (ideia) temos que definir o que eu quero com ele (resposta)  e como será apresentado (forma, função, estática, ergonomia, etc), então definimos as dúvidas que circundam o produto:

Definindo as dúvidas do projeto: O que eu quero saber sobre o projeto

  • Identificação do problema da pesquisa  dentro do contexto da área de interesse
  • Limitar o problema a uma demanda;
  • E propor objetivos de pesquisa, que são os dados coletados e analisados.
Isso significa que a identificação do problema deve atender a uma necessidade ou desejo em que o produto ou serviço vai atender de maneira que satisfaça as necessidades do cliente ou consumidor (cliente é aquele que compra mas não usa o produto, o consumidor é aquele que de fato utiliza o produto).

Limitar o problema a uma demanda significa que todo projeto deve atender a um grupo distinto de pessoas, não que neste espaço (mercado) não possa haver outros consumidores, mas dentro desse universo devemos determinar características comuns que fazem com que este grupo ou nicho de pessoas veem os mesmos atributos e qualidades relevantes, determinando o foco não só do produto como da comunicação. 

Os objetivos da pesquisa são os parâmetros que determinamos para executar o projeto. Precisamos limitar devido a uma série de questões, inclusive custo de produção que faz com que um produto seja influenciado no seu preço final. A analise de dados coletados vai determinar uma série de questões como se o público está disposto a dispender mais dinheiro por alguma vantagem, conveniência, rapidez, praticidade, ou qualquer outro atributo associado que faz o cliente enxergar valor. Quando o cliente/ consumidor enxerga valor isso é um atributo não só de status, diferencial, mas também é a capacidade global de proporcionar algo a mais que o torna único e memorável.



Dentro dessa análise devemos preencher o  Círculo de Ouro (Simon Sinek) respondendo as 3 evidências de oportunidade:

      1. O quê? (ideia)
      2. Porquê? Quais benefícios ofertados? (oportunidade)
      3. Pra quem? (público-alvo)


Onde devemos partir do propósito da ideia. O porquê? Qual é a causa, no que você acredita, qual objetivo de sua proposta para melhorar a vida das pessoas. 
Qual o processo de como vai atingir o propósito da ideia. Como? Sua ideia vai ter diferencial e vai ser competitiva, quais atributos e benefícios que ela oferece de especial.
E por fim o que você faz e vende? O quê? Qual o seu produto ou serviço? Qual a sua resposta o resultado do que você faz e como você se identifica com público.


Lembrando do mantra do design:

"Produto é um conjunto de atributos tangíveis e intangíveis¹ que proporcionam benefícios reais ou percebidos ² com objetivo de satisfazer necessidades e desejos dos clientes³"


"Contar uma boa história com uma boa argumentação sustenta um bom projeto. Com uma argumentação lógica se constrói um conceito consistente."

FERRARESI, Alex Antônio (2011)



O CONCEITO

Para Ferraresi, o produto é uma abstração humana, muda-se a percepção e cria-se um novo conceito. Ela é uma abstração dessa percepção. O conceito vai dar todos os parâmetros para o projeto. O conceito vai traduzir o quê? Os atributos do produto precisam estar definidos,  isso define apenas uma ideia e não um conceito. Para quem? É a definição do seu heavy-user o elemento que tipifica o público-alvo  ou o componente de mercado. Quais os benefícios? Os benefícios ofertados ao seu heavy-user são consequentes aos atributos, isto é só terá benefícios se o heavy-user atribuir valor.

"Valor é uma percepção, é a capacidade global de satisfazer as necessidades e desejos. As pessoas só atribuem valor se ele trazer algum benefício. Quando você manifesta desejo você atribui valor."

...

Texto adaptado da aula do curso em Desenho Industrial - Projeto do Produto pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUC-PR em 01/09/2011, na disciplina de Pratica Projetual V pelos orientadores: CASTILHO, Marcelo Ferreira de; FERRARESI, Alex Antônio. 






Após  ter analisado o problema; a descoberta da oportunidade e a criação do conceito e respondido ao Círculo de Ouro (Golden Circle) devemos nos atender as relações que envolvem o produto no Processo de Design:

SER HUMANO - ESPAÇO - OBJETO




"A interação é constante que interfere na relação do objeto, portanto os objetos não podem ser  concebidos isolados de um contexto a qual ele vai estar inserido" 
  
FONTOURA, Antônio Martiniano (in Memorian 1962-2014)


Neste ciclo do Processo de Design que vamos chamar de "Delta Key" (Chave de Variação) temos que nos atender dessas as relações estabelecidas: 


· PRODUTO | SER HUMANO

As relações estabelecidas entre o usuário e o produto. Isto significa como ele interage com o produto, como usa, que valor ou benefício ele tem, qual ou quais características que ele possuí são alguma das investigações que devemos compreender para entender o que o produto proporciona ao usuário e vice-versa. São as percepções que caracterizam o objeto. Exemplo simplificado: Uma faca de cabo ergonômico proporciona melhor pega para cortes duros, além de ter um fio extremamente afiado que deve tomar muito cuidado para não se cortar.

· PRODUTO  | OBJETO

São as relação estabelecida  entre os produtos e o universo que ele está inserido os objetos próximo a eles. Isto significa em que contexto ele está inserido, como interage com outros produtos ou dispositivos. Como ele é reconhecido, que signos ele representa, como e qual linguagem ele transmite. São os contextos que permeiam o objeto que criam significantes e significados que ele traduz. Por exemplo: A faca sua finalidade é realizar cortes diversos em alimentos, mas podemos utilizar para parafusar, para cortar cordas, abrir caixas, ou ainda mesmo utilizar como arma para ferir ou matar.

· PRODUTO | ESPAÇO

Refere-se a relação estabelecida entre os espaços macro e micro. Isso envolve todas as circunstâncias que ele se relaciona com ambiente não somente físico, mais jurídico, político, econômico, social, ambiental, tecnológico, enfim uma infinidade de situações.

Um exemplo simplificado, ainda utilizando a faca, ela envolve o ambiente doméstico, porque está presente em todos os lares, especialmente na cozinha, mas esse objeto, pode ser usado por manifestantes para pressionar governantes a tomarem alguma atitude com relação ao que eles reivindicam, e por isso pode afetar ao setor de cutelaria, porque o governo proibiu a venda de facas, e com isso está gerando crise no setor deixando muitos trabalhadores desempregados e eles estão se ajuntando a massa de manifestantes provocando uma revolta social, e com isso os policiais estão prendendo pessoas armadas, com ajuda de tecnologias como scanner descobriram que manifestantes entraram no palácio do governo armados com armas brancas, facas tipo de caça e algumas desviadas das forças armadas.

Este é uma maneira meio tosca de interpretar e compreender como um objeto está se relacionando com pessoas e o ambiente. Mas ainda existem outros níveis que devemos nos atender no desenvolvimento de produtos que são níveis onde o produto interfere na relação homem x máquina (objeto):





· NÍVEIS FUNCIONAIS

Funções definidas em relação aos usuários. O objeto é rico em significados, seu contexto determinam sua origem.

· NÍVEIS UTILIZADOR

A experimentação dos aspectos físicos do produto estão  ligados a sua função prática.

· NÍVEL OBSERVADOR 

Aspectos sensoriais do produto ligados a função estética.

· NÍVEL POSSUIDOR

A experienciação ( a vivência  -que incorpora o objeto  no nível de ser) e os aspectos sociais do produto derivam a sus função simbólica.


O objeto (produto) também ainda pode assumir outros processos:


· DE USO

Diz respeito as funções práticas, limitando o nível do utilizador e da experiência  física, porém se refere a outros usos que o produto possa a ter. Ele pode ser utilizado com a finalidade estética, pois sua aparência é apenas para ser contemplada e apreciada.  Ou o seu uso é produto e define o que ele é. Esse uso dependerá do seu contexto, e esse contexto de uso lhe atribuirá um significado e valor. Portanto, a definição de uso do produto mudará de acordo com seu uso. Isso chamamos de polissemia do objeto - comunica vários significados.


· CONTEXTO

É o cenário que permeia e atribui significação ao evento. É a realidade ou situação que normalmente determinará a maneira de interpretar e determinar a experiência. A realidade determinará a experiência.  O design pode-se dizer é o contexto da totalidade das circunstâncias e de fatores sociais, políticos, históricos, econômicos... fazendo a leitura do contexto do objeto.

· FUNÇÕES PRÁTICAS 

Para HEUFLER (2004) refere-se as funções práticas o processo do uso divididos em 5 estágios:

  • Aquisição: Informações do produto antes da compra
  • Transporte: Ponto de venda ou local de uso
  • Guarda: Acomodação do produto no local utilizado
  • Uso: Requisitos de uso
  • Descarte: Fim do ciclo de vida do produto


Utilidade ou maneira pela qual o produto satisfaz o seu propósito, através da manejabilidade de seus aspectos ergonômicos e usabilidade que facilitam sua adequação, mantendo a manutenção dos cuidados durante sua vida útil e despesas decorrentes de sua utilização, além de durabilidade e da promoção para a longevidade para o ciclo de vida do produto.



· LINGUAGEM DO PRODUTO

Qualquer sistema organizado e convencional de signos que servem como meio para comunicar as idéias e sentimentos de sistemas convencionados entendidos por códigos. Os códigos nada mais são que sistema de signos que se organizam e que são regidos por regras aceitas por todos os membros de uma determinada comunidade que utilizam deste código para comunicar-se (dimensão social).

Qualquer  linguagem do produto também requer uma sintaxe (gramatical/forma) e uma semântica (significado/conteúdo). A sintaxe é o estudo das estruturas, regras, padrões formais do meio como algo expresso. Já a semântica refere-se ao estudo do significado.

" O que seu produto quer dizer para as pessoas? Elas conseguem compreender os valores que você está tentando atribuir e transmitir ao usuário?"

  • Aspectos sintáticos: São elementos estéticos formais que constituem a forma do objeto, configuração (aparência) cor, materiais, superfície (textura) estrutura (ordem e complexidade).
  • Aspectos semânticos: Permitem significar a forma num determinado contexto.


GROS, Jochen faz uma distinção entre a função signica (sinal) e a função simbólica (simbolo).


As funções simbólicas são mais complexas pois envolvem abstração dependem do contexto e da interpretação envolvendo o julgamento de valores. Os valores dependem do individuo e a que grupo ele pertence  refletirão diretamente ao produto.

Já para KRIPPENDORFF a função semântica  do produto é a qualidade do produto e seu contexto cognitivo e social e sua aplicação do conhecimento nos objetivos de desenho industrial, no qual ele se refere: Dar sentido as coisas.

"Design is making sense (of things)"



E por fim temos que analisar a partir o produto a partir da semiótica:

· SEMÂNTICA DO PRODUTO

Não é o estilo do produto

Atribui-se ao senso ou feito dados pelos usuários sobre os artefatos se encaixando simbolicamente como a: autopoesis (grego: auto - próprio , poiesis - criação). 


Não pode ser confundida com ergonomia

Aceita-se as inconveniências nos produtos sob o ponto de vista  semântico são perfeitamente aceitáveis, sendo certas coisas toleráveis devido ao seu conceito de uso.


Não é apenas um mero recurso mercadológico


O design é provocativo, pois existem outros valores implícitos ao objeto que são concebidos e projetados a ele que não necessariamente todos compreenderão seu real significado.

"O design ele é mais  um projeto intelectual do que um projeto projetual." 

 CASELA,  José Luis (2011)



A gestão do design está na qualidade:

ESTÉTICA - Forma       FUNCIONAL - Função       TÉCNICA -  Engenharia

Devem ser atendidas estes três requisitos para se executar um excelente projeto!!!




...

Texto adaptado da aula do curso em Desenho Industrial - Projeto do Produto pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUC-PR em 27/02/2012, na disciplina de Pratica Projetual VI pelos orientadores:FONTOURA, Antônio Martiniano, CASELA, José Luiz, RAMOS, Jaime.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

linkwithin_text='Você pode gostar também:' Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...