COMO ELABORAR UM CONCEITO E DESENVOLVER O PROJETO? - PARTE II

Após analisado o problema: a descoberta da oportunidade, a criação do conceito: resposta conceitual ao problema definindo a tríade: O quê? Para quêm? Qual Benefício?


Devemos levantar a questão das relações do produto entre


SER HUMANO - ESPAÇO - OBJETO



"A interação é constante que interfere na relação do objeto, portanto os objetos não podem ser  concebidos isolados de um contexto a qual ele vai estar inserido" 
  
FONTOURA, Antônio Martiniano (in Memorian 1962-2014)


PRODUTO | SER HUMANO

Relações estabelecidas entre o usuário e o produto

PRODUTO  | OBJETO

Relação estabelecida  entre os produtos e o universo que ele está inserido os objetos próximo a eles.

PRODUTO | ESPAÇO

Refere-se a relação estabelecida entre os espaços macro e micro
_______________________________________________________________________


NÍVEIS FUNCIONAIS

Funções definidas em relação aos usuários. O objeto é rico em significados, seu contexto determina sua origem

NÍVEIS UTILIZADOR

A experimentação dos aspectos físicos do produto estão  ligados a sua função prática

NÍVEL OBSERVADOR 

Aspectos sensoriais do produto ligados a função estética

NÍVEL POSSUIDOR

A experienciação ( vivência  - incorpora o objeto  no nível de ser) e os aspectos sociais do produto derivam a sus função simbólica

_______________________________________________________________________


PROCESSOS DE USO

Diz respeito as funções práticas, limitando o nível do utilizador e da experiência  física, porém se refere a outros usos que o produto possa a ter. Ele pode ser utilizado com a finalidade estética, pois sua aparência é apenas para ser contemplada e apreciada.  Ou o seu uso é produto e define o que ele é. Esse uso dependerá do seu contexto, e esse contexto de uso lhe atribuirá um significado e valor. Portanto, a definição de uso do produto mudará de acordo com seu uso. Isso chamamos de polissemia do objeto - comunica vários significados.


CONTEXTO

É o cenário que permeia e atribui significação ao evento. É a realidade ou situação que normalmente determinará a maneira de interpretar e determinar a experiência. A realidade determinará a experiência.  O design pode-se dizer é o contexto da totalidade das circunstâncias e de fatores sociais, políticos, históricos, econômicos... fazendo a leitura do contexto do objeto.

FUNÇÕES PRÁTICAS 


HEUFLER (2004) refere-se as funções práticas o processo do uso divididos em 5 estágios:

  • Aquisição: Informações do produto antes da compra
  • Transporte: Ponto de venda ou local de uso
  • Guarda: Acomodação do produto no local utilizado
  • Uso: Requisitos de uso
  • Descarte: Fim do ciclo de vida do produto


Utilidade ou maneira pela qual o produto satisfaz o seu propósito, através da manejabilidade de seus aspectos ergonômicos e usabilidade que facilitam sua adequação, mantendo a manutenção dos cuidados durante sua vida útil e despesas decorrentes de sua utilização, além de durabilidade e da promoção para a longevidade para o ciclo de vida do produto.

LINGUAGEM DO PRODUTO

Qualquer sistema organizado e convencional de signos que servem como meio para comunicar as idéias e sentimentos de sistemas convencionados entendidos por códigos. Os códigos nada mais são que sistema de signos que se organizam e que são regidos por regras aceitas por todos os membros de uma determinada comunidade que utilizam deste código para comunicar-se (dimensão social)

Qualquer  linguagem do produto também requer uma sintaxe (gramatical/forma) e uma semântica (significado/conteúdo). A sintaxe é o estudo das estruturas, regras, padrões formais do meio como algo expresso. Já a semântica refere-se ao estudo do significado.

" O que seu produto quer dizer para as pessoas? Elas conseguem compreender os valores que você está tentando atribuir e transmitir ao usuário?"

  • Aspectos sintáticos: São elementos estéticos formais que constituem a forma do objeto, configuração (aparência) cor, materiais, superfície (textura) estrutura (ordem e complexidade).
  • Aspectos semânticos: Permitem significar a forma num determinado contexto


GROS, Jochen faz uma distinção entre a função signica (sinal) e a função simbólica (simbolo)


Funções simbólicas são mais complexas pois envolvem abstração dependem do contexto e da interpretação envolvendo o julgamento de valores. Os valores dependem do individuo e a que grupo ele pertence  refletirão diretamente ao produto.

Já para KRIPPENDORFF a função semântica  do produto é a qualidade do produto e seu contexto cognitivo e social e sua aplicação do conhecimento nos objetivos de desenho industrial, no qual ele se refere:
Dar sentido as coisas.

"Design is making sense (of things)"

SEMÂNTICA DO PRODUTO

Não é o estilo do produto
O senso é feito pelos usuários sobre os artefatos se encaixando simbolicamente como a: autopoesis (grego: auto - próprio , poiesis - criação)
Não pode ser confundida com ergonomia
Aceita as inconveniências nos produtos sob o ponto de vista  semântico são perfeitamente aceitáveis, sendo certas coisas toleráveis devido ao seu conceito de uso
Não é apenas um mero recurso mercdológico

O design é provocativo, pois existem outros valores implícitos ao objeto que são concebidos e projetados a ele que não necessariamente todos compreenderão seu real significado.

O projeto ele é mais um projeto intelectual do que um projeto projetual" - CASELA,  José Luis

A gestão do design está na qualidade:

ESTÉTICA - Forma       FUNCIONAL - Função       TÉCNICA -  Engenharia

Devem ser atendidas estes três requisitos para se executar um excelente projeto!!!!



Texto adaptado da aula do curso em Desenho Industrial - Projeto do Produto pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUC-PR em 27/02/2012, na disciplina de Pratica Projetual VI pelos orientadores:FONTOURA, Antônio Martiniano, CASELA, José Luiz, RAMOS, Jaime.


VEJA ANTERIORMENTE EM :  COMO ELABORAR UM CONCEITO? - PARTE I

Nenhum comentário:

Postar um comentário

linkwithin_text='Você pode gostar também:' Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...