ECOPAD TABLET CONCEPT






O comprimido Ecopad não é um ordinário dispositivo 'verde'. Na verdade, este tablet oferece algo que nenhum outro tablet pode reclamar - ele não requer carga externa de qualquer tipo. Isto significa que não precisa de desajeitados  adaptadores de energia ou temendo interrupção de uso. O segredo por trás da Ecopad é um nano filme piezoeletricidade que coleta energia de cada toque e passe na tela. Você está pronto para um vislumbre do futuro da eco-friendly comprimidos?

Alimentado por um Android Honeycomb ou Chrome OS, o conceito tablet Ecopad vem da mente criativa de Jun-SE Kim, Do Yonggu e Seo Eunha. Como o diagrama indica, a ardósia incorpora uma abordagem de quatro camadas: Painel LCD, o nano filme piezoeletricidade, componentes da bateria e principal. O conceito, embora simples, é bastante notável: quanto mais você usa o display, o mais energia da bateria aumenta.

Agora, se pudéssemos ver o nano filme piezoeletricidade trabalhando em alguns conceitos de celular O Senhor sabe que todos nós poderíamos usar uma bateria interminável em nossos smartphones. Estou certo?

Comentário:
Já fiz várias proposta para produtos pzoelétricos, porém parece que a tecnologia ainda é promissora porque de fato a anos eu a vejo sendo noticiada, mas  como tecnologia de mercado nunca vi aplicada em um produto comercial. Vamos esperar mais quanto tempo para ver?

JULIANA BUSO E O CENTRO DE DESIGN DO IF DESIGN AWARD & DESIGN HOJE: FERNANDO BINI E CONVIDADOS - CHARNEIRA 2011





Nesta sexta (07/10/2011) tivemos o último dia da Charneira 2011- Nós com eles/Nós sem eles.




PRÊMIO IF - CENTRO DE DESIGN

A palestra proferida por Juliana Buso mostra sua atuação dentro do Centro de Design Paraná que atua em âmbito nacional como prestadora de serviços de desenvolvimento para indústria ao governo federal. Como coordena o design dentro do centro como ferramenta de estratégia para a indústria - explica Juliana Boso - diz que o Brasil se tornou realmente o centro das intenções internacionais. "No centro  de design não tem rotina diferente do escritório de design". Ainda comenta que o centro foi o primeiro a orientar as necessidades da indústria em âmbito nacional, a área utiliza metodologia da Dansk Design Center em classificar as empresas em quatro níveis que eles chamam de degraus: 1. Degrau: São empresas que não tem design, e não sabem o que é design. No 2.Degrau: São empresas que utilizam do design como estilo, para simplesmente vender produtos. 3. Degrau: São empresas que utilizam o design como processo. 4. Degrau: São empresas que utilizam o design como ferramenta estratégica de gestão.

"No Brasil temos grandes marcas globais que não são tão conhecidas no Brasil e em partes do mundo." - Juliana Boso.

MESA REDONDA: DESIGN E O HOMEM COM MARCOS BECCARI & ILUSTRAÇÃO EDITORIAL COM JOSÉ AGUIAR - CHARNEIRA 2011



DESIGN E O HOMEM

Nesta quinta-feia (06/10/2011) tivemos a participação de Marcos Beccari como mediado dessa mesa redonda, com a participação da psicóloga Ana Beatriz Guimarães pela PUCPR, Cauê Kruger formando em antropologia pela PUCPR e o professor formado em filosofia pela PUCPR, Haroldo de Paula. Seguem as sinopses descritas durante o evento.


Na relação entre o homem e o mundo  através do design, onde o artefato se liberta de sua condição funcional para criar significados, como o homem traduz  através do design? No Brasil, o design é um modelo importado europeu, segundo Alexandre Wollner e considera o design nacional sem significados e critérios, diante desses dilemas como podemos encarar o fator cultural em nossa sociedade? Qual é a visão da filosofia, da psicologia de antropologia.

PAPO D: MONKEY BUSINESS COM MARCO FRANZOLIM & MESA VERDE COM BERNADETE BRANDÃO - CHARNEIRA 2011



O Papo D - Qual o limite da atuação do designer?  Foi realizado pelos associados da Pró Design nesta quarta-feira (05/10/2011) levanta algumas discussões do design, com vários profissionais presentes:



O mercado onde vocês irão atuar é onde o design está misturado com outras áreas confundido com outras mídias, tudo virou comunicação onde iremos trabalhar? Num escritório, numa agência, num stúdio? Se faz muita diferenciação de cada ambiente, essas nomenclaturas só existem porque a gente quer, pois hoje está tudo junto e misturado.

O que o design precisa é uma idéia, a vezes a gente esquece esse nosso potencial, todos tem que estar unidos pela idéia.  Por exemplo, o hotel Emiliano criou um livro diferente aos seus hóspedes, nele demonstravam um caso real que um cliente que deixou cair um iPod no corredor do hotel e quando o hospede voltou o seu iPod estava na cama com uma caixa de chocolates ao lado. O livro tinha uma idéia diferente em algumas páginas elas estavam fechadas, para abrir as páginas bastava pegar o cartão que estava no começo do livro passar entre as páginas e então as histórias como essa do hotel eram reveladas. Se a gente quiser podemos fazer de tudo através da experiência.

A MORTE DA APPLE - STIVE JOBS: FICA O SÍMBOLO MORRE A LENDA

STAY HUNGRY, STAY FOOLISH

TEC DESIGN - MESA REDONDA: PRA QUEM E PRA QUÊ? CHARNEIRA 2011




Nesta terça-feira (04/10/2011) no segundo dia de Charneira 2011 prestigiamos a palestra da Tec Design.


David Santos abriu a palestra falando sobre a interdisciplinaridade do design a introdução a metodologia que eles desenvolveram utilizando o mesmo processo para diferentes projetos e áreas.

Os requisitos desejáveis para qualquer projeto são: Inovação, Valor percebido e Satisfação do Cliente. Outros requisitos são a funcionalidade e ergonomia que devem estar intrinsico a qualquer produto. Outro item importante na atualidade é a sustentabilidade  cada vez mais frequente  e qual o valor que o cliente entende nisso - comenta.

"Valor percebido é isso que você precisa agregar e que o cliente perceba rapidamente sendo um dos itens mais importantes do projeto" - Davi Santos

Para ele não adianta criar um projeto de sucesso se o cliente não entende o valor real, ou percebido com a melhoria no produto, muito provavel que ele fracassará, principalmente porque o cliente não entende muito bem atributos intangíveis. Para atingir a Satisfação do Cliente os produtos devem ser feitos para as pessoas, a humanização dos produtos é um aspecto fundamental, pois estabelece uma interface e interação com elas.

FEEL THE FUTURE E ELLEN KISS DA RVD RESEARCH - CHARNEIRA NÓS COM ELES /NÓS SEM ELES - 2011



Começou hoje (03/10/2011) a Charneira 2011 - Semana Acadêmica de Desenho Industrial da PUC-PR, com a debate Pensando Design com os convidados: Kleber da  Puchsaki da Feel the Future e Ellen Kiss da RVD Research. 


Para Kleber Puchaski inovar não é preciso, design é preciso. No mundo atual inovar é uma realidade que está ligado diretamente ao mercado, ou você inova ou você está fora. O design ainda não é visto como uma ferramenta para ajudar nessa inovação, por isso a cultura de design é preciso nas organizações. Citou o príncipe Albert como motriz para a  Revolução Industrial  mostrando que sua invenção que tirou o homem da manufatura para a era das máquinas. São pessoas inovadoras como essas e tantas outras como Diter Rams (Braun) em que: Menos é mais, tornaram se o padrão da sociedade atual. O design  está se voltando aos serviços e devemos refletir no Pensar Design.  O design não é mais elemento de diferenciação é pré-requisito para qualquer organização, os pensamentos de Bauhaus que a forma segue a função, não fazem mais tanto sentido, e que o Design Thinking (solucionador de problemas) está mais evidente no momento. Para Puchaski  o design está divido em 4 áreas: 1. Colaborativo, 2. Experimental (errar, errar, errar), 3. Integrativo e 4. Interpretativo. "Pra mim essa é a essência do processo de inovação." - complementa ele.  
Ainda fala de  Tim Braun da Ideo discordando do seu ponto de vista  dizendo que o design não é uma disciplina, para ele é um processo holístico de soluções e oportunidades. 

Kleber ainda comenta sobre algumas vertentes do design:

linkwithin_text='Você pode gostar também:' Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...