O QUARTO CAMINHO: O DESIGN THINKING ATENDENDO O FUTURO DOS PRODUTOS COM FUTURES THINKING


O que é Futures Thinking?

Se você soubesse então o que você sabe agora, você teria vendido todo este estoque, terminado seu vinculo e ter tomado uma oferta de emprego logo num piscar de olhos. Claro que a parte complicada é ser capaz de tomar essas decisões no presente, mas como fazemos isso sem saber o que está à espreita ao virar a esquina? Sim esse argumento que venho fazendo no Pesamento de Futuros (Futures Thinking) uma parte padrão do seu processo de pensamento - tanto na sua viada profissional como na pessoal onde você será capaz  de tomar melhores decisões em face de incertezas.


Como design estrategista (design strategist) ajudei a projetar dezenas de produtos e serviços. O processo é sempre bastante semelhante - investimos muito tempo para entender nossos usuários, gerar insights (introspecção do conhecimento) sobre suas necessidades, criar e testar uma ampla gama de soluções para satisfazer essas necessidades e, em seguida,  construir um modelo de negócios para trazer o vencedor ou  os vencedores para o mercado. É um processo que é extremamente adequado para fazer o que se pretendia fazer - criativamente resolver problemas que o nosso público está enfrentando hoje em uma maneira centrada no usuário. No entanto, não leva em conta que nossos usuários estão evoluindo todos os dias - muito como você e eu. Eu nunca pensei duas vezes sobre isso até que eu fiz um projeto em parceria com o Instituto para o Futuro no verão passado e aprendi sua metodologia de Futures Thinking. Em vez de tentar prever o futuro, seus métodos ajudam a criar vários cenários possíveis para o futuro. Eles chamam isso de previsão. Como resultado, como uma previsão do tempo, você é capaz de se preparar para uma ampla gama de coisas prováveis ​​no horizonte e aproveitar oportunidades impactantes, minimizando as surpresas. Então, como Futures Thinking e Design Thinking comparar e, talvez, complementar uns aos outros? E como podemos usar os dois em conjunto para obter melhores resultados?


Os dois processos têm algumas diferenças gritantes:

1. O mix de divergentes e convergentes: Embora ambos os processos exigem uma série de etapas divergentes e convergentes, o Design Thinking converge em última instância para um conceito concreto que é testado, finalizado e trazido ao mercado.  Já no Futures Thinking, por outro lado, produz uma série de cenários, que se destinam a ilustrar várias opções para o que o futuro pode ser, sem definir uma previsão exata. Podemos então conceber conceitos de produto para qualquer um desses cenários futuros, o que significa que o ponto final do processo Futures Thinking pode ser visto como o ponto de partida para o processo de Design Thinking - um pode alimentar o outro.



2. Os objetivos e mindsets (mentalidades), que levam a saídas muito diferentes: O Design Thinking visa a inspirar-nos a criar. Os objetivos são produtos, serviços e experiências para o mundo de hoje. Ele nos ajuda a atingir esse objetivo e lidar com sua ambiguidade inerente, confiando em uma mentalidade de confiança otimista que, em última análise, chega ao resultado desejado. O Futures Thinking, por outro lado, pretende inspirar. O objetivo é pensar mais em oportunidades que possamos (ou não) nos próximos anos. Ele visa informar a estratégia organizacional para o futuro e torná-lo mais robusto para a incertezas que está por vir. No seu núcleo, o processo abrange a incerteza inerente que vem com isso, fomentando uma mentalidade de humildade pragmática.



3. O cronograma: O Design Thinking centra-se na criação para o mundo de hoje e no futuro imediato. Como resultado, a fase de inspiração é geralmente focada em investigar o presente e o passado imediato apenas (alguns anos atrás). No Futures Thinking visa iluminar possibilidades de caminhos para daqui a 10-15 anos. Como resultado, isso nos obriga a olhar para trás 10-15 anos no tempo para entender a história, a fim de ser capaz de rastrear a trajetória do que as implicações do passado pode ser sobre o futuro.



4. O sistema: O Design Thinking, dada a sua natureza mais imediata, geralmente se concentra apenas nos fatores mais imediatos relevantes para a organização de hoje - as pessoas que estamos projetando, nossas restrições tecnológicas e nossas necessidades de negócios. Dada a sua natureza mais a longo prazo, o Futures Thinking abraça uma abordagem muito mais sistêmica. Além de analisar os fatores imediatamente relevantes para o contexto organizacional de hoje, ele leva em conta fatores macro maiores que podem moldar o contexto organizacional nos próximos anos.





No entanto, Futures Thinking também tem algumas semelhanças inegáveis ao Design Thinking.

1. Bordas inspiradas: Ambos os processos olham para as franjas como uma fonte de inspiração. Em Design Pensando isso é feito olhando os usuários de chumbo e atraso para expor as necessidades do usuário e sistemas análogos para mostrar áreas de oportunidade. No Futures Thinking isso é feito olhando para sinais fracos de mudança observados no mundo de hoje e extrapolando o que eles poderiam se tornar em dez a quinze anos.



2. Pessoas e Experiências: Ambos os processos contam com personas e protótipos para trazer conceitos abstratos à vida. No Design Thinking isso ajuda a tornar tangíveis as necessidades dos usuários e as idéias dos produtos - isso ajuda os usuários potenciais a reagir aos conceitos e fornecer feedback útil. No Futures Thinking isso ajuda a fazer cenários abstratos para o que a vida pode ser como no futuro tangível, colocando itens reais desses mundos na frente dos stakeholders (pontos de contato) do negócio.


Poderíamos discutir essas (e outras) semelhanças e diferenças por dias, mas a questão é que ambos os processos são valiosos por si mesmos. Uma das minhas citações favoritas de Daniel Egger diz: "O presente cria valor para que o futuro possa existir ... e o futuro oferece um norte estratégico e novas oportunidades possíveis". Precisamos estar olhando para otimizar o sucesso e encontrar O alinhamento entre o presente e o futuro.

A questão maior para nós como profissionais de design, então, é: o que fazemos sobre tudo isso? O uso do pensamento futuro em nosso processo de design pode nos beneficiar? O que nos ajudará a realizar?

Eu acho que o benefício final de misturar as duas metodologias é projetar produtos que são mais à prova de futuro. Ao invés de projetar algo que o usuário de hoje vai comprar hoje, ele nos ajuda a entender melhor o que o usuário pode querer e precisar no futuro e evoluir com ela. É como começar um plano de poupança de faculdade para o seu recém-nascido. Ele ajuda a projetar relacionamentos mais duradouros com nossos usuários - um relacionamento baseado em nossos produtos e serviços, e não meramente em nossa marca.

Então, como vamos fazer isso? Uma opção é comprometer-se com o Futures Thinking e engajar-se regularmente em paralelo com o nosso processo de Design Thinking - ter sempre um conjunto atualizado de cenários possíveis para o que o nosso futuro será de 10 a 15 anos a partir de agora e alinhar o nosso design Iniciativas com estas visões. Isso é ótimo, mas ainda não estamos prontos para dar esse salto. Então, entretanto, podemos pedir emprestado alguns exercícios do processo de Pensamento de Futuro (Futures Thinking) e integrá-los em nossas iniciativas de Pensamento de Design (Design Thinking) para começar a ficar mergulhado na metodologia.

Olhando para trás para olhar para a frente: Em Design Thinking que são guiados pesadamente por histórias de nossos usuários - estes são dados pontos sobre o passado. Este exercício Futures Thinking pode ajudar a conectar os pontos de dados para descobrir trajetórias. Ele pode nos ajudar a entender os usuários em um nível mais profundo, vendo como suas realidades e comportamentos evoluíram (e como eles podem continuar a evoluir). Isso nos leva a fazer perguntas como: Quais foram algumas das tendências mais importantes no domínio / indústria que estamos projetando e quais delas têm mais afetado nossos grupos de usuários? Como essas tendências alteraram os comportamentos / preferências dos usuários e quais foram os fatores por trás dessas tendências? Qual seria o próximo passo para essas tendências se extrapolássemos para o futuro?


A Coleta e Agrupamento de Sinais: Em Design Thinking olhar para "cauda" usuários e sistemas análogos para insights e inspiração. Este exercício de Futures Thinking pode ajudar a ver de que outra forma poderíamos olhar para o que está acontecendo nas "franjas" do nosso contexto organizacional (em áreas que podem parecer irrelevantes no início) para entender melhor as áreas de oportunidades potenciais. Isso nos leva a fazer perguntas como: quais são algumas das coisas mais criativas, excitantes e incomuns que acontecem no mundo hoje em dia? O que está levando essas coisas a se desenvolver? Por que são interessantes e que implicações podem ter no futuro? Como eles podem se aplicar ao domínio que estamos projetando?

A Previsão de duas curvas: No Design Thinking nós pensamos sobre como insights de usuários extremos podem traduzir para mais grupos de usuários mainstream (tendência dominante). Este exercício Futures Thinking fornece uma abordagem estruturada para visualizar como sementes de mudança de franjas de hoje pode fazer o seu caminho para o mainstream e como, inversamente, os elementos do mainstream de hoje pode cair para a obsolescência. Isso nos leva a fazer perguntas como: Que inovações podem resultar dos sinais de mudança de hoje/ e quando eles se tornarem mainstream? O que precisa acontecer para que a mudança ocorra e como será a transição? Quais elementos do domínio que estamos projetando e nossas vidas de usuários serão mais transformados como resultado? Quais partes do mainstream de hoje ainda estarão ao redor e que irá embora?

O Revelando Possibilidades Inesperadas: No Design Thinking geramos muitas observações, idéias e idéias ao longo dos estágios divergentes do processo. Este exercício Futures Thinking fornece um novo "mash-up" (mistura) quadro para ajudar a fazer sentido destes elementos diversos e descobrir novas áreas de oportunidade. Isso exige que geremos muito (pelo menos 50-100) sinais de mudança que você está vendo no mundo de hoje. Estes podem ser notícias, startups emergentes, ou qualquer outra coisa concreta que você acha que pode ter implicações para o futuro. Ele então nos leva a pensar em que oportunidades interessantes poderiam existir na interseção de várias combinações de 2 a 3 desses sinais. Isso nos leva a fazer perguntas como: Que insights achamos mais intrigantes (mesmo que pareçam não estarem relacionados)? Que tipos de necessidades de usuário poderiam existir na interseção dessas idéias se você as combinasse? Qual usuário precisa ser o mais crítico? Que tipos de novos produtos e experiências poderiam existir para preencher a intersecção dessas necessidades?

O Futures Thinking muitas vezes pode parecer nebuloso e desconfortável - muito parecido com o Design Thinking faz como que você  acha que estava menos familiarizado com ele. Espero que esta visão geral atingiu o seu interesse e fez você ver o valor por trás dele. Eu também espero que isso tenha feito você querer explorar como Futures Thinking pode fazer de você um melhor designer e estrategista. Finalmente, espero que este seja apenas o começo de um movimento para aproximar as duas disciplinas nos próximos anos e o início de uma conversa sobre como o fazemos.

Fonte:
https://www.linkedin.com/pulse/fourth-way-design-thinking-meets-futures-anna-roumiantseva



Nenhum comentário:

Postar um comentário

linkwithin_text='Você pode gostar também:' Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...