NAOTO FUKASAWA


Naoto Fukasawa  é um designer japonês , nascido na província de Yamanashi , em 1956. Graduou-se Tama Art University , em 1980. Depois de ter atuado como chefe de uma empresa americana IDEO 's escritório em Tóquio, ele estabeleceu Naoto Fukasawa Design em 2003.Suas  obras representativas incluem MUJI'S leitor de CD (parte da coleção permanente, o MoMA de Nova York ), os telefones móveis "Infobar" e "neon " da marca de 0 ± electrodoméstics e artigos diversos. Nos últimos anos, ele lançou uma série de novas obras com empresas italianas B & B Italia , Driade , Magis , Artemide , Danese e Boffi , bem como na Alemanha e na Europa do Norte, e eles têm garantido muita atenção.No passado, ele ganhou mais de cinqüenta prêmios, incluindo a idéia norte-americana Gold Award, o alemão se Gold Award, o britânico D & AD Gold Award, o Mainichi Design Award eo Prêmio Oribe 5.
Fukasawa é um professor da Musashino Art University e professor visitante na Tama Art University. Ele é autor de livros como Um Esboço de Design (TOTO) e co-autor de outros, tais como a abordagem ecológica de Design (Tokyo Shoseki).











MAC FUNAMIZU



Mac Funamizu é um designer blogueiro Japonês, muito famoso principalmente por expôr exclusivamente seus trabalhos na web, porém não existem muitas informações a seu respeito nem fotos do designer (além desta), execeto as de suas criações. Seguem algumas reportagens do trabalho do Funamizu.

TERRA: Baixaki

O Horizon Desktop  traz tecnologias ainda em desenvolvimento


 

O designer japonês Mac Funamizu é criador de uma enorme quantidade de conceitos elegantes e de altíssima tecnologia, Mac_Fun - como se chama no ambiente online - traz para o ambiente digital muito do que ele acredita ser a melhor alternativa para gadgets atuais.


O Horizon (horizonte, em inglês) é a visão de Funamizu para um novo desktop. Praticamente sem cabos, o computador teria como principal diferencial o monitor de tamanho variável. Sim, segundo o designer japonês, a mesma tela de um monitor de 13 polegadas pode facilmente se tornar um "cinema display" de 30 ou 40".


OLED flexível




Essa é a inspiração principal para o Horizon, segundo seu criador. Ao perceber telas flexíveis como as desenvolvidas pelo Universal Display Corporation, surgiu o conceito de criar um monitor que se adapte à necessidade momentânea.


Afinal, não é sempre que alguém precisa de 30 polegadas ou mais para desempenhar uma tarefa no computador. Naturalmente, quem trabalha com imagens ou múltiplas fontes de entrada de conteúdo, assim como gamers, costuma se beneficiar muito de telas enormes, mas ainda assim, existem momentos em que um espaço mais limitado pode ser vantajoso.


No Horizon, o monitor é composto por duas bases laterais. Em uma dessas hastes, a tela é enrolada em um eixo e, de acordo com a necessidade, pode ser desenrolada ou recolhida apenas afastando ou aproximando as partes do monitor uma da outra.


As conexões sem fio já são parte da realidade em termos de mobilidade e comunicação, mas ainda não são exploradas como fonte de suprimento de energia para gadgets. Apesar de a Palm ter lançado o Palm Pre com um carregador por indução, ainda são poucas as empresas que estão aderindo a essa forma de manter a alimentação de equipamentos.


Como é um conceito, é perfeitamente possível que o Horizon utilize indução para manter seu funcionamento, e essa hipótese é reforçada por um dos detalhes do modelo: as portas USB são apoiadas na mesa onde está o PC, e funcionam por transmissão sem fio.

Interação com o usuário

Um computador é tão útil ou bom quanto o seu usuário o faz. Assim, as maneiras pelas quais essa interação acontece podem ajudar ou complicar a eficácia do equipamento.


No caso do Horizon, o designer considerou que - além do teclado - boa parte da entrada de informação aconteceria pelo mouse. Por esse motivo, além de apresentar funções semelhantes às do Magic Mouse da Apple, o apontador do projeto conceitual é um tanto quanto diferente do que se vê no mercado atual.




A grande diferença é o formato quadrado (com bordas arredondadas para evitar acidentes) do acessório. Por ser uma superfície multitouch, com programação de eventos e gestos da mesma forma que o mouse da Apple, os toques em botões e outros comandos no apontador podem ser interpretados em qualquer direção.


Alertas e notificações


A entrada de informação no computador é essencial, porém o retorno de eventos para o usuário também é parte da experiência de utilização.


Todos os principais sistemas operacionais - Windows, Mac OS X e Linux - contam com alguma maneira de alerta e notificação ao usuário. Normalmente, esses dispositivos são apresentados como pequenas janelas em algum dos cantos da tela.

No Horizon, como o tamanho do monitor é variável, Funamizu preferiu utilizar uma outra forma de avisar ao usuário que algo aconteceu. Para isso, na base fixa do monitor existe um pequeno projetor que apresentaria as notificações na mesa em que o computador está. Dessa forma, as notificações não cobrem nada na tela, tornando-as menos invasivas.


Realidade?

Ainda não. Além de ser apenas um conceito, existem dificuldades tecnológicas para a produção do Horizon. O primeiro e principal problema a ser enfrentado é justamente o grande atrativo do computador: o monitor.


Além de as telas OLED flexíveis ainda serem caras e limitadas, o controle da superfície necessário para perceber quanto de tela deve ser ativado a cada momento - já que o enrolar e desenrolar dela é decisão do usuário - ainda está bem longe de ser obtido. Ainda assim, não é impossível que, em alguns anos, algo seguindo essa ideia esteja à venda. É questão de esperar e ver se acontece de fato



http://tecnologia.terra.com.br/noticias/0,,OI4580235-EI12882,00-Desinger+cria+conceito+de+monitor+com+tamanho+variavel.html

I09

Bem-vindo de volta ao MangoBot, uma coluna quinzenal sobre futurismo asiáticos por tokyomango blogger Lisa Katayama,( http://www.tokyomango.com/ ) . Mac Funamizu é,  designer geek tech, futurista e que criou bastante burburinho entre os círculos de design para seus dispositivos inovadores do futuro. Aos 38 anos de idade nativo de Tóquio ele sempre amou Mac, Google e Starbucks, mas ele sempre se sentiu incomodado com os passos adicionais de usá-los. (Por que deixar de fora  um complexo multi-modo condicional ao tomar café, quando você poderia simplesmente personalizar o seu café pingado online? Por que o Google Maps  não lha dá mais do que apenas uma imagem topográfica de que você está olhando?) Em primeiro lugar, sua idéias eram apenas esboços em seu Moleskine (Caderno italiano).Mas então ele começou a postar seu bom gosto, idéias provocativas online, e agora os desenvolvedores estão contactando para tentar fazer algumas ideáis dele realidade.




A partir  do outono passado, Funamizu formalizou seus desenhos usando programas como o Illustrator, Photoshop, e Shade, e os publicou em seu web site. A blogosfera rapidamente pegou nelas, e que levou ao interesse de desenvolvedores. "No futuro, os dispositivos serão muito mais intuitivos de usar", diz Funamizu. Aqui estão alguns dos seus projetos favoritos e os meus pessoais:




1. 1.  Olhando no Espelho

Em uma série de posts que ele chama de O Futuro da  Busca na Internet, Funamizu explora diferentes maneiras em que um display inteligente transparente pode nos ajudar a obter informações sem ter  toneladas de informações em um desktop ou portátil. Curioso em saber quantos nutriente a maçã tem?  Quer saber como parecia  a   paisagem à sua frente 30 anos atrás? Basta deslizar o espelho mais para obter as informações desejadas. "Eu sempre me perguntei por que eu tenho que usar palavras-chave para buscar um objeto que eu não sei", diz ele."."A fim de obter os resultados corretos, você tem que usar as palavras certas para descrevê-lo. É um paradoxo completo."



2. 2. Estantes para Pessoas Super-Preguiçosas


Funamizu acredita que as estantes do futuro serão como ganchos deslizantes que o descanso sob sua mesa de dobrar afastado ordenadamente e manter intactas as páginas abertas (similar mecanicamente a um arquivo de gabinete), ou eles podem ser escalonados unidades de parede com divisórias deslizantes para que você possa organizá-los e reorganizar os livros sem puxar cada uma para fora. ""Eu sou muito preguiçoso", diz Funamizu. "Com isso, eu seria capaz de colocar todas as revistas e livros espalhados sobre a mesa de distância."







3. 3.  Desktop por Holografia


E se a coisa que você estava pensando em comprar apareceu como uma imagem 3D que se projetam para fora do seu monitor?  Ou se a sua celebridade favorita na web apareceu na frente de seu rosto como uma realidade holográfica? "Meus filhos seriam tão feliz se os seus personagens favoritos deles surgirem a partir da tela do computador", diz Funamizu."Além disso, seria muito conveniente se pudesse verificar os modelos 3D que flutuam no ar. Eu acho que seria capaz de criar itens de maneira melhor ."


4. 4.  Recepiente de Shampoo e Condicionador  Inconfundível


Funamizu acredita que shampoo e condicionador, será muito mais fácil de distinguir se eles foram empilhados em cima uns dos outros, não sao colocados lado a lado, porque as etiquetas são obscurecidos. Eu não sei o que pensar, mas eu gosto do design  de canto. É o espaço eficiente. Eu acho que a faixa amarela no lado diz quanto ainda tem, para que você possa medir, quando você precisará sair para comprar  novas recargas.




5. 5.  Destaque de Linha em Plug-in

A leitura on-line as coisas poderiam ser uma enorme dor, em parte porque você não pode colocar um vinco na última página onde você parou. Muitas vezes, eu acabo lendo artigos a meio e esquecê-las logo em seguida. This solves that. Isto resolve isso. "I read lots of blogs, but I lose the line I'm on all the time," Funamizu says. "Eu li muitos blogs, mas eu perco a linha que eu estou o tempo todo", diz Funamizu. "Please, someone, develop this plug-in!" Images by Mac Funamizu "Por favor, alguém, desenvolver este plug-in!" Imagens de Mac Funamizu


http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&langpair=en%7Cpt&u=http://io9.com/5031574/mac-funamizus-gadget-designs-of-the-future










SITE OFICIAL DE MAC FUNAMIZU
http://www.behance.net/mac_fun



ROSS LOVEGROVE


Ross Lovegrove nasceu em 1958, Penarth , País de Gales (Inglaterra)  é um designer industrial , talvez mais conhecido por seu trabalho com o  Walkman Sony.Ele estudou na Escola Politécnica de  Manchester,onde hoje é a Universidade Metropolitana de Manchester ( Manchester Metropolitan University) graduando-se na primeira classe de  bacharel em Desenho Industrial em 1980 e depois foi para o Royal College of Art , ( Escola Real de Arte de Londres), em 1983, onde completou sua capacitação em design. Sua inspiração vem principalmente de formas orgânicas e estruturas.
No início dos anos 80, ele trabalhou como  designer de sapos  na Alemanha Ocidental  e em projetos como walkman da Sony , computadores para a Apple , e  mais tarde mudou-se para Paris como consultor da Knoll International, tornando-se autor do sucesso Alessandri Office System.. Convidado para participar do Atelier de Nîmes, juntamente com Jean Nouvel e Philippe Starck , entre outros fez  consultoria para Louis Vuitton , Hermes e Dupont.
Retornando a Londres em 1986, ele tem projetos concluídos para entre tantas e  outras  as indústrias como: Airbus , Kartell , Ceccotti, Artemide , Cappellini, Idee, Moroso, Luceplan, Driade , Peugeot , Apple , Issey Miyake, Vitra , câmeras Olympus , empresa Yamagiwa, Tag Heuer , Hackman, Alias, Herman Miller, Biomega, Japan Airlines e arquitetos Toyo Ito, do Japão, bem como KEF e Bernhardt Design.
Vencedor de inúmeros prêmios internacionais o seu trabalho tem sido amplamente publicado e exibido internacionalmente, incluindo o museu de arte moderna em New York , o Museu Guggenheim , em Nova York, o Centro do Eixo, o Japão, o Centre Pompidou de Paris, e o Museu do Design em Londres, onde, em 1993, com curadoria da primeira coleção permanente. Lovegrove foi premiado com o World Technology Award pela revista Time e da CNN em novembro de 2005.  No mesmo ano, ele foi premiado com o prestigiado Red Dot Design Award para os produtos criados para a Vitra .







Conhecido como “Captain Organic” e “a própria expressão estética do século 21”, quando o assunto é desenvolvimento de espaços e produtos, o designer galês Ross Lovegrove foi o convidado do Casa Cor Stars desse ano, projeto que traz designers e arquitetos renomados para compartilhar suas ideias.
Apresentado pelo presidente da Casa Cor, Ângelo Derenze, Lovegrove iniciou a apresentação falando porque não tinha um iPhone, mesmo já tendo trabalhado para a Apple. O designer menciona o dado de que 500 milhões de celulares ficam na gaveta dos americanos sem reutilização e que esse é o princípio de seus trabalhos, que ele considera um “design sem gordura” ou “essencialismo estético”. Ele explica os termos dizendo que busca criar projetos que usem somente o material necessário e que agreguem referências visuais de formas orgânicas ou humanas que causem o máximo efeito visual e o menor dano ao meio ambiente.

Processo criativo

Pluralidade é a palavra-chave dos trabalhos de Lovegrove. Para provar isso, o designer mostra seu estúdio subterrâneo de trabalho, situado em Londres, onde ele projetou uma escada em formato de DNA e mesas que lembram um trevo de quatro folhas. Ali ele expõe seus trabalhos premiados e também protótipos. Para Lovegrove, é importante criar olhando para outros de seus trabalhos. Dentre essas peças está a bicicleta feita de bambu que levou seis anos para ficar pronta e é um de seus grandes orgulhos. Outro produto mencionado pelo designer é a garrafa d’água inspirada no processo criativo de Da Vinci, um exercício de observação em que materializou o movimento de uma poça de água na garrafa.
Nesse momento, Lovegrove fala sobre seu processo criativo: “As pessoas se comprometem com a mediocridade e se acostumam a não explorar todo seu potencial. Eu não consigo trabalhar sabendo que estou abaixo do que posso fazer”. Ele continua dizendo que não era de família rica, não viajou o mundo e não se descobriu designer cedo, mesmo tendo um hábito de observação que hoje é crucial na elaboração de seus trabalhos.







ELECTROLUX DESIGN LAB 2010

Este são os finalistas do Concurso Eletrolux Design Lab 2010. O concurso tem como objetivo a criação de como será o futuro em 2050. Para os leigos em design isso são apenas meras projeções de como será o futuro, pois o design está aliado as novas descobertas cientificas que determinarão ou não os nosso anseios para o futuro. Projetar o futuro é não correr os mesmos riscos que cometemos no passado.



http://www.youtube.com/watch?v=HXX0tgYKOG0&feature=player_embedded

LOGO DA COPA -GESTALT

Gestalt da logo da Copa do Mundo 2014 no Brasil. Reparem que existem vários estereótipos sobre o povo brasileiro nesta logomarca, você saberia identificar algum desses estereótipos?


















linkwithin_text='Você pode gostar também:' Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...